Buscamos oferecer as melhores soluções para cada problema de obesidade, de forma individual, atendendo às necessidades do paciente. Balão intra-gástrico, banda gástrica ajustável, derivação gástrica (by-pass ou cirurgia de Capella), gastrectomia tubular (Sleeve) e novos acessos que permitem excepcional resultado estético como minilaparoscopia. Também oferecemos tratamentos endoscópicos e cirúrgicos para reganho de peso pós-cirurgia bariátrica.

O que é o balão?
O balão intragástrico é uma bola de silicone que colocada por endoscopia no fundo gástrico, diminui a ingesta alimentar levando a perda de peso.

Quem se beneficiaria utilizando o balão?
O balão está indicado para pacientes com IMC a partir de 27kg/m2, em pacientes com indicação de cirurgia que não queiram operar, ou obesos mórbidos em pré-operatório, que necessitam perder peso para serem operados. Hoje é muito utilizado tanto para fins estéticos, como também em pacientes que necessitam perder peso com mais rapidez, antes de outros procedimentos como cirurgia plástica, ortopédica, cardíaca, entre outras.

Quem não poderia colocar o balão?
Pacientes com doenças gástricas graves como varizes, úlceras, etc. Pacientes já submetidos a fundoplicatura (cirurgia anti-refluxo) e cirurgia bariátrica e àqueles que não possam ser submetidos a sedação profunda, por risco anestésico cirúrgico impeditivo.

Quanto em média se perde de peso com o balão?
Em torno de 10% a 15% de perda de peso total, em seis meses de tratamento. Embora por se tratar de um tratamento para obesidade, possam ocorrer perdas significativamente maiores, contudo também menores. Os melhores resultados são obtidos com aqueles pacientes que seguem a orientação dietética e primam por atividades físicas regulares.

Este tratamento do balão pode ser arriscado?
Todo o procedimento cirúrgico tem riscos. Complicações graves com o balão já foram descritas, mas são bastante raras.

Como é o pós-operatório da colocação do balão?
As queixas mais comuns são de náuseas e vômitos. Como é muito frequente, passageira e muito intensa, temos sugerido que nossos pacientes permaneçam internados por um período médio de 24 a 48 horas, após a colocação do balão. Azia e dor abdominal ocorrem com relativa frequência, embora perfeitamente tratáveis com medicamentos. Estufamento, obstipação ocorrem bem menos frequentemente.

A partir de quanto tempo de colocação do balão posso fazer exercício físico?
Preconizamos que se aguarde cinco dias para se iniciar atividade física mais intensa como musculação e exercícios abdominais.

Quando e como se faz a retirada do balão?
O balão é retirado por endoscopia, sob sedação profunda, impreterivelmente 6 meses após a sua colocação, porque após este período aumentam os riscos de perfuração do balão e vazamento de seu conteúdo.

O que é cirurgia de bypass ou Capella?

Também conhecida como grampeamento gástrico, é uma técnica cirúrgica mista, que promove restrição da ingestão alimentar associada a mudança na absorção de nutrientes. Esta associação técnica revolucionou a cirurgia bariátrica, permitindo ótimos resultados em termos de perda de peso, com baixo risco de complicações.

Quais são as vantagens da cirurgia de bypass?

Corretamente chamada na literatura portuguesa de cirurgia de derivação gástrica, tem como principais vantagens: perda de peso em média em torno de 30% a 40 % do peso total; índices de reganho de peso em torno de 8% a 10 % a longo prazo; risco de complicações nutricionais aceitáveis; resultados comprovados por mais de 30 anos; baixo índice de complicações; tempo médio de internação de 48 horas para a técnica vídeolaparoscópica, que representa a via de acesso para quase todos os casos operados por nós; possibilidade de melhora de doenças graves como hipertensão, diabetes, dislipidemias (colesterol e triglicerídeos elevados), apnéia do sono, problemas osteoarticulares, desempenho físico, infertilidade, doença do refluxo, entre outras.

Quais as desvantagens da cirurgia de bypass?

Risco de complicações tardias como úlceras e hérnias internas que eventualmente podem levar a reoperações; risco de anemia e desnutrição que, normalmente, são controláveis com medicamentos, mas as vezes podem necessitar de suplementação parenteral (na veia); risco de reganho de peso, por complicações cirúrgicas, mas principalmente por abuso de doces, carboidratos e bebidas alcoólicas e risco de intolerâncias alimentares e dumping.

O que é dumping?

Dumping é uma complicação que ocorre após algumas cirurgias gástricas, no caso, principalmente após o bypass em que o paciente pode apresentar um ou mais dos seguintes sintomas: taquicardia (coração acelerado), tonturas, sudorese, náuseas, dor abdominal tipo cólica, diarreia e sensação de desmaio eminente. Ocorre normalmente de 30 minutos até 2 horas após a ingestão de doces ou massas, embora possa ocorrer com outros alimentos.

Quais são os riscos desta cirurgia de bypass?

O grupo, um dos pioneiros do Paraná, com exercendo ativamente a cirurgia bariátrica desde 1998, apresenta um índice de reoperações e complicações graves comparáveis aos melhores centros de excelência mundial, com risco de reoperações de 5% e risco de óbito de 0,3%.

Eu já fiz algumas cirurgias abdominais, posso fazer esta cirurgia por vídeo?

Seu caso tem que ser julgado individualmente. Nossa equipe tem uma das maiores experiências brasileiras em casos complexos e de reoperações.

Eu voltei a ganhar peso depois de fazer uma cirurgia bariátrica, o que posso fazer?

Você precisa de uma abordagem individualizada. Normalmente o reganho de peso está associado a compulsões por carboidratos ou bebidas alcóolicas, ansiedade severa ou inatividade física. Raras vezes o reganho de peso pode estar associado a alguma complicação cirúrgica tal como câmara gástrica dilatada, problemas ou complicações com anéis, fístulas gastrogástricas entre outras, que as vezes necessitam de reoperações. Nosso grupo até mesmo pela longa experiência em ensino de vídeocirurgia no Brasil, vem se tornando referência nacional no tratamento de casos complexos. Hoje nosso grupo tem bastante experiência em tratamento endoscópico para reganho de peso.

Como funciona o tratamento endoscópico para reganho de peso?

Consiste na aplicação por endoscopia de um Laser, chamado argônio, na anastomose (nova comunicação realizada na cirurgia de bypass entre o pequeno estômago e o intestino delgado), realizada em sessões, sob sedação profunda. A aplicação do argônio promove uma cicatrização na região da anastomose, o que vai determinando um fechamento progressivo neste canal de comunicação dilatado pelo passar dos anos o que determina novamente uma sensação de plenitude pós-alimentar. Este tratamento associado a cuidados de dieta e atividade física pode promover um tratamento de resgate, como uma nova chance para uma perda de peso significativa e com risco bastante baixo, por se tratar de tratamento endoscópico, portanto, minimamente invasivo.

O que é Sleeve?

Também conhecida como gastrectomia tubular ou cirurgia da manga gástrica, é um método cirúrgico para tratamento da obesidade, realizado por vídeolaparoscopia, sob anestesia geral, que atualmente tem ganho muitos adeptos entre médicos e pacientes por ser uma cirurgia menos radical que as cirurgias bariátricas consagradas e que pode oferecer ótimos resultados em termos de perda de peso.

Como saber se a cirurgia de Sleeve é uma boa cirurgia para mim?

As principais indicações da gastrectomia tubular são as seguintes:
- Pacientes com IMC entre 35 a 40 kg/m2 com indicação de cirurgia bariátrica, principalmente homens em qualquer idade ou mulheres nos extremos de idade (< 18anos ou acima de 60 anos);
- Pacientes que não querem ser submetidos a cirurgias com derivação intestinal;
- Pacientes que querem evitar riscos de úlceras, anemias ou complicações intestinais;
- Pacientes que não podem ser submetidos a cirurgia com derivação intestinal, tais como: pacientes com radioterapia abdominal prévia, múltiplas cirurgias ou aderências intestinais, doenças inflamatórias intestinais como retocolite ou doença de Crohn.

Quem não deveria fazer esta cirurgia de Sleeve?

Pacientes submetidos a alguns tipos de cirurgias bariátricas e gástricas prévias. Pacientes com fundoplicatura (cirurgia de hérnia de hiato) prévia, podem ter mais riscos de complicações. Pacientes com condições abdominais ou gerais impeditivas, tais como cirrose hepática, (fígado), insuficiência cardíaca, coronariopatia ou pneumopatia de elevados riscos anestésico-cirúrgicos.

Como funciona a cirurgia de Sleeve para perder peso?

Realiza-se um grampeamento do estômago que determina a formação de um tubo. Este tubo gástrico, que passa a ser o novo estômago, têm em média de 150 a 200 ml. Lembre-se que um estômago não operado tem, em média, de 1500 a 2000 ml de capacidade. Além da redução de volume, que leva a uma saciedade muito mais precoce a cirurgia de Sleeve também leva a perda de peso por resultar na ressecção do fundo gástrico, que é o principal produtor de um hormônio chamado ghrelina, que é um dos hormônios responsáveis por aumentar o apetite. Portanto, como os níveis deste hormônio em pós-operatório são bastante reduzidos, os pacientes perdem peso, também por uma redução hormonal de apetite.

Qual pode ser minha expectativa de perda de peso com esta cirurgia de Sleeve?

Em média os pacientes perdem de 25 a 40% de perda de peso total com esta cirurgia. Embora estes valores variem muito, dependendo também de adesão do paciente ao tratamento multidisciplinar, dieta, ritmo de atividade física, controle de ansiedade e compulsões, entre outros.

Eu posso voltar a engordar com esta cirurgia de Sleeve?

Infelizmente nenhum tratamento para a obesidade é 100% garantido. Qualquer tratamento pode levar a recorrência da doença, mesmo porque se trata de uma doença crônica, multifatorial que têm aspectos comportamentais (dieta e atividade física), genéticos, hormonais, psicológicos entre outros.

E se eu engordar novamente após a cirurgia de Sleeve, posso ser reoperada (o)?

Todo paciente bariátrico deve considerar como sua melhor oportunidade, sempre a primeira cirurgia, portanto, informe-se, pesquise, discuta exaustivamente com o seu cirurgião e equipe todas as possibilidades de tratamento e escolha conjuntamente com seus familiares, cirurgião e equipe sua melhor opção. Infelizmente por diversos motivos o reganho de peso pode ocorrer após qualquer cirurgia bariátrica, variando em sua intensidade, também de acordo com a técnica cirúrgica empregada. Somos uma equipe de grande experiência em reoperações complexas, até mesmo por coordenarmos um curso de pós-graduação em cirurgia minimamente invasiva. Tratamos casos de reganho de peso de vários tipos de cirurgia bariátrica. A cirurgia de Sleeve, nasceu como uma cirurgia a ser feita em dois tempos, no entanto, os resultados foram surpreendentemente bons e muitos pacientes não necessitam de uma segunda operação, o que tornou a cirurgia de Sleeve, uma das principais cirurgias do armamentário terapêutico para a obesidade grave.

O que é o tratamento endoscópico para reganho de peso?

É um novo método de tratamento para pacientes que fizeram cirurgia bariátrica no passado e voltaram a ganhar peso. Através de endoscopia sob sedação aplica-se um Laser, chamado argônio, na anastomose (nova comunicação realizada na cirurgia de bypass entre o pequeno estômago e o intestino delgado).

Como funciona este laser para reganho de peso?

A aplicação do argônio por endoscopia promove uma queimadura na região da anastomose que resulta, após a cicatrização, num fechamento parcial do canal de comunicação entre a pequena câmara gástrica e o intestino na cirurgia de Bypass, o que leva a uma saciedade mais precoce e por conseguinte a perda de peso.

Este tratamento endoscópico com laser, pode ser realizado várias vezes?

Alguns estudos têm demonstrado que normalmente são necessárias de três a quatro sessões de argônio na anastomose, dependendo do seu calibre para se chegar ao calibre próximo do ideal que determinaria lentificação na passagem da comida do estômago para o intestino, por conseguinte, saciedade mais precoce, levando a perda de peso.

Este tratamento com laser de argônio, têm riscos?

Todo procedimento tem riscos. Já foram descritos casos de sangramento, anemia, dor intensa em pós-operatório e estenose (fechamento excessivo da anastomose) após este procedimento. Entretanto o apelo de se poder ter uma nova chance de perda de peso significativa com um procedimento de muito baixo risco e que pode evitar uma cirurgia muito mais complexa são fatores que têm levado muitos pacientes a nos procurar para a realização deste método.

Qual o resultado que posso esperar deste tratamento com laser de argônio?

Por se tratar de um problema complexo, em pacientes já operados, com tipos distintos de causas de reganho de peso, os resultados são imprevisíveis, no entanto em média, os pacientes têm perdido de 3% a 5% de perda de peso total por sessão, o que resulta em média numa perda de 12% a 20% de perda de peso total. Deve-se ressaltar a importância da equipe multidisciplinar que irá trata-lo conjuntamente, com reorientação de dieta, tratamento psicológico/psiquiátrico da ansiedade e reinserção em programas de atividade física regular para que se alcance os melhores resultados possíveis.

O que é endoscopia?

Exame que através de uma pequena câmera colocada na ponta de um tubo permite diagnosticar e eventualmente tratar doenças do esôfago, estômago e começo do intestino fino.

Qual o objetivo deste exame?

Diagnosticar doenças do esôfago, estômago e intestino fino inicial, tais como úlceras, esofagites, gastrites, hérnias hiatais e etc. Outro objetivo é o diagnóstico precoce de doenças graves como câncer do estômago, além da possibilidade de retirada de pólipos, tratamento de hemorragias digestivas, tratamentos para emagrecer como balão intragástrico, entre outras.

Este exame deve ser feito sob anestesia?

Poucos pacientes toleram muito bem o exame e conseguem fazê-lo utilizando-se somente um anestésico local na garganta. Para a maioria dos pacientes nossos anestesiologistas utilizam um medicamento chamado Propofol que permite uma sedação profunda e uma recuperação mais rápida após a sedação.

Quais os riscos deste exame?

Qualquer procedimento apresenta riscos e complicações. Pode-se ter complicações da anestesia como tonturas, dificuldade respiratória, queda de pressão e complicações do exame em si, principalmente quando além do diagnóstico se fez necessário algum procedimento como biópsias, polipectomias, etc.

Como é a recuperação deste exame?

Normalmente não se faz necessária dieta após o exame, podendo o paciente se alimentar normalmente. Com a medicação que utilizamos em nossa clínica o paciente se recupera muito rapidamente e geralmente 3 horas após o procedimento já está completamente recuperado.

O que é colonoscopia?

Método de diagnóstico em que através de um tubo com uma câmera em sua ponta pode-se fazer o diagnóstico visual e eventualmente o tratamento de várias doenças do intestino grosso.

Como é feito o exame de colonoscopia?

Necessita-se introduzir o tubo com a câmera em sua ponta através do ânus até se chegar ao final do intestino delgado ou ao ceco.

Como é o preparo do exame de colonoscopia?

Baseia-se em uma dieta em que se restringe basicamente fibras, sementes, alimentos com casca e carne vermelha por três dias e o uso de um medicamento chamado Picossulfato, que é tomado entre oito a seis horas antes do exame. Além disto, quatro horas antes do exame o paciente deve estar em jejum absoluto (nem água) devido à sedação profunda.

Como é a sedação para a colonoscopia?

Sob monitorização de médico anestesiologista, utilizamos em nosso serviço um medicamento chamado Propofol, que determina sedação profunda. A grande vantagem deste medicamento é que o paciente rapidamente entra em sono profundo e não tem nenhuma percepção do exame, acordando rapidamente após o mesmo.

Quanto tempo demora o exame de colonoscopia?

Entre 20 a 40 minutos, dependendo da necessidade ou não de tratamentos endoscópicos, por exemplo, polipectomias.

Quando está indicado o exame colonoscópico?

No diagnóstico da dor abdominal sem causa definida. No diagnóstico de hemorragias do trato gastrointestinal. No acompanhamento de doenças inflamatórios tais como Retocolite e doença de Crohn. Na prevenção do câncer colorretal, entre outras.

Quem não deve fazer o exame colonoscópico?

Exceto em raras exceções as grávidas e pacientes com doenças cardiovasculares graves e recentes como Infarto do miocárdio e acidente vascular cerebral, pacientes muito desidratados ou com outros problemas cardíacos graves como insuficiência cardíaca congestiva e arritmias cardíacas graves, entre
outras.

Como vou me sentir após o exame colonoscópico?

Você se sentirá sonolento e eventualmente um pouco tonto logo após o exame. É comum também a sensação de gases abdominais, que algumas vezes pode ser bastante doloroso.

O exame colonoscópico tem algum risco?

Por se tratar de um exame invasivo e que utiliza um preparo que determina perda de líquidos e eletrólitos, podem ocorrer complicações como quedas de pressão, desidratação, arritmias cardíacas, problemas respiratórios, complicações anestésicas, além de translocação bacteriana, riscos de sangramento e perfuração intestinal.

O que é minilaparoscopia?

A minilaparoscopia é uma nova técnica cirúrgica minimamente invasiva que difere da consagrada cirurgia laparoscópica pela utilização de instrumentais de calibre muito menor com 2mm e 3 mm ao invés dos instrumentais de laparoscopia convencional que tem 5mm ou 10 mm habitualmente.

Quais as vantagens desta cirurgia?

Na última década, houve uma busca incessante de novas vias de acesso no intuito de se reduzir o número e/ou tamanho das incisões cirúrgica, no intuito de se tornar a já tão conhecida cirurgia dos furinhos no abdômen numa técnica ainda melhor. Daí surgiram novos equipamentos e vias de acesso como o “Single Port”, que tem sua aplicação restrita a algumas cirurgias como nas colectomias, por exemplo. No entanto, nosso grupo sempre primou por segurança e excelência técnica e dentro dos chamados novos acessos em cirurgia minimamente invasiva somos um dos grupos pioneiros no Brasil na ampla utilização da minilaparoscopia, por acreditarmos ser o avanço mais lógico, mais seguro, no qual com algumas adaptações técnicas e de material o cirurgião experiente pode desempenhar sua arte, com resultados gerais equivalentes à cirurgia laparoscópica habitual e com resultados estéticos muito superiores.

Todas as cirurgias podem ser feitas por minilaparoscopia?

Hoje esta técnica pode ser empregada seguramente em pacientes selecionados, nas seguintes cirurgias:
-Colecistectomia (cirurgia para “pedras na vesícula”principalmente);
-Cirurgia para hérnia de hiato (cirurgia antirrefluxo);
-Cirurgia para hérnias inguinais;
-Laparoscopias diagnósticas, biópsias hepáticas e laparoscopias ginecológicas;
-Cirurgias para suor excessivo (simpatectomias torácicas e lombares).

Como é a COLECISTECTOMIA POR MINI?

O procedimento é executado em ambiente hospitalar, sob anestesia geral, exatamente como a colecistectomia laparoscópica já consagrada. Internamente os diferenciais são a necessidade de maior destreza e treinamento do cirurgião para se realizarem nós cirúrgicos, ao invés do uso de clips metálicos. A diferença técnica se deve ao fato de se trabalhar com 3 portais de 2mm ou 3 mm, ao invés de portais de 10mm e 5 mm., o que resulta em menores incisões que sequer necessitam de pontos cirúrgicos, resultando em uma cirurgia menos agressiva e esteticamente muito superior.

Como é a CIRURGIA DE HÉRNIA DE HIATO POR MINI?

Para casos selecionados, em ambiente hospitalar, sob anestesia geral, como na fundoplicatura laparoscópica já consagrada, realiza-se o fechamento do orifício herniário e a confecção de uma válvula antirrefluxo com o próprio fundo gástrico. No caso da cirurgia por mini substitui-se os portais de 10 e 5 mm por portais de 2 ou 3 mm e deslocando-se a óptica de 45 graus preferencialmente para a cicatriz umbilical, “esconde-se” a cicatriz do portal de 10 mm, obtendo-se uma cirurgia esteticamente bem superior.

Como é a CIRURGIA PARA HÉRNIA INGUINAL POR MINI?

Executada em candidatos a técnica TEP, sem uso de grampeadores, sob anestesia geral, em ambiente hospitalar o cirurgião subsitui os portais de acesso de 5 ou 10 mm (onde ficam as cicatrizes) por portais de 2 ou 3 mm, executando da mesma forma a correção da hérnia, inclusive com uso de telas (próteses) com a mesma segurança da cirurgia de TEP laparoscópica já consagrada. Alguns autores acreditam que inclusive em sítios cirúrgicos com espaço mais restrito como o espaço extraperitoneal o uso de instrumentais mais delicados e de menor calibre e com excelentes resultados estéticos.

Todos podem ser submetidos a cirurgias por minilaparoscopia?

Não. Atualmente pacientes com obesidade mórbida ou pacientes com fígados volumosos (esteatóticos) e pacientes com múltiplas cirurgias abdominais ou que não tenham preocupação com a estética representam casos de contraindicação relativa senão absoluta ao método.

O método Stretta é um procedimento minimamente invasivo que reduz significativamente os sintomas do refluxo gastroesofágico.

A Tecnologia Stretta fornece energia de radiofrequência (RF) para o músculo entre o estômago e o esôfago (esfíncter esofageano inferior), através de uma sonda passada pela boca. A RF remodela e melhora o tecido muscular, resultando em melhora significante da função de barreira, levando a menos episódios de refluxo. Seu objetivo é tratar o refluxo para evitar a realização de uma cirurgia.

Stretta é, de longe, a opção de tratamento minimamente invasivo mais amplamente estudada na doença do refluxo gastroesofágico. É comprovada por ter baixo risco e ser eficaz em mais de 37 estudos clínicos e 18.000 procedimentos realizados em todo mundo.

Uma hérnia abdominal é caracterizada por uma abaulamento de algum órgão da barriga para fora do corpo que, geralmente, não causa sintomas, mas pode provocar dor, inchaço e vermelhidão no local, especialmente quando há um encarceramento ou torção dos órgãos que estão dentro da hérnia.

O tratamento para a hérnia abdominal é feito através de uma cirurgia para recolocar aquela parte do órgão por trás dos músculos abdominais. A cirurgia é simples, sem a necessidade de anestesia geral e, geralmente, a pessoa permanece no hospital por apenas 1 dia.